Customização x Software Standard – A Difícil Escolha do Gestor de Sistemas

Tempo de leitura: 2 minutos

Contratar um ERP e realizar uma implantação de sucesso por si só é uma tarefa árdua para qualquer gestor, pois é necessário:

a) Entendimento da demanda por parte da empresa;
b) Escolha do fornecedor e do software;
c) Implantação do sistema

A empresa precisa saber exatamente onde quer chegar e quais recursos irá dispor. Planejamento é a palavra chave e este precisa ser bem feito, envolvendo as áreas da organização e contando com o apoio da direção da empresa. Desde esta fase inicial é importante que se tenha claro o nível de customização que o produto adquirido permite e se a empresa irá ou não adotar o desenvolvimento de programas específicos para atender suas necessidades.

Entende-se por Customização aqueles programas do software que necessitarão de desenvolvimento específicos e que merecerão atenção especial quando de uma atualização de versão. Muitos softwares hoje em dia, já não consideram relatórios e outras saídas como customizações pois conseguem deixar estes salvos na própria base de dados da empresa. Muitos permitem até que as telas do software sofram modificações sem que seja necessária uma customização.

Em muitos casos a customização é fundamental e sem ela fica inviável para a empresa utilizar o software, pois o mesmo não tem capacidade por si só de se adaptar aos seus processos.

Normalmente isso ocorre na chamada “frente do negócio ou Back Office”, ou seja, onde acontece a operação da atividade fim da empresa e onde existe a interface com o cliente ou com a produção do produto ou a prestação do serviço.

Na “retaguarda do negócio ou Front Office”, que é representada pelas atividades administrativas, é muito comum os softwares terem poder suficiente para atender as demandas existentes.

Mas nem sempre a customização é realmente necessária pois é bem comum que ela acabe correndo por conta de:

a) Gostos pessoais
b) Burocracias desnecessárias
c) Processos inadequados
d) Processos antiquados

Cabe ao gestor de sistema identificar se as customizações são vitais pois elas elevam bastante o custo de implantação e principalmente de manutenção do software pois é importante entender que cada vez que o fornecedor disponibilizar uma nova versão do software, as customizações existentes precisarão ser revisadas e readaptadas para que não deixem de funcionar. Por isso, o ideal é tentar não customizar muito o software. Somente nos pontos realmente necessários. Fique atento e tente negociar ao máximo com usuários e equipe de gestão para ficar nos processos padrões do software, evitando custos desnecessários.

Equipe Methos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *